10.5.12

Estilhaça-me - Tahereh Mafi


Título: Estilhaça-me
Autor(a): Tahereh Mafi
ISBN: 9788563219909 
Editora: Novo Conceito
Páginas: 304
Classificação: 3/5 (Bom)


Estilhaça-me é um volume introdutório sobre a estória de Juliette. Uma Garota cujo toque é letal. Uma garota que por muito tempo se sentiu anormal e foi rejeitada por possuir um ‘dom’. Uma garota a quem nunca foi dada uma chance para que ela mostrasse como era bondosa.

Depois de ser considerada um risco para os humanos, e de passar 264 dias confinada sem ter contato com ninguém, Adam é colocado na mesma cela em que Juliette. A chegada deste rapaz (lindo e gentil ) marcará o início de várias mudanças na vida de Juliette. Agora ela tem a possibilidade de ser uma pessoa livre, poderosa e temida por todos. Desde que aceite se tornar a principal arma do Reestabelecimento, o governo que veio para restaurar a paz e a ordem em um mundo destruído.

Li várias resenhas positivas sobre esse livro. Teve gente o considerando um dos melhores livros do ano. Muitos aprovaram a narrativa ‘inovadora’ de Tahereh Mafi. E suspiraram todo o segundo com o romance. Falaram tão bem que eu quebrei minha promessa de não comprar nenhum livro até terminar de ler os que já tenho. Não me arrependo, no entanto já adianto que o livro não é nem de perto o que eu esperava.

Ao contrário de algumas pessoas, eu não me incomodei com as palavras repetidas repetidas repetidas ou riscadas. O que realmente me incomodou foram os momentos nos quais eu lia algo e percebia que isso já havia sido dito anteriormente, não necessariamente com as mesmas palavras ou como um recurso estilístico; mas por parecer falta de assunto ou para forçar algo que não estava nos convencendo muito bem. Além disso, muitas explicações dadas para coisas extraordinárias não me convenceram. Soou como se o que estava sendo dito fosse algo em que a autora acreditasse fevorosamente e, por isso, nós teríamos acreditar. Ou ela simplesmente não pensou em nada melhor e decidiu escrever daquele jeito, pouco se importou se iríamos aceitar ou não.

Não gostei de Juliette. Não gostei. Enxergo-a como uma personagem boba demais e cheia de lamentações (esse é um dos motivos porque costumo detestar narração em 1ª pessoa). Enjoada. Não tenho muito bem uma opinião formada sobre Adam, pois tudo que eu sei sobre ele é o que Juliette pensa que ele é (outra razão por eu costumar detestar narrações em 1ª pessoa). Ou seja, o acho legal quando está com ela. O romance em si não é nada de alucinante, é razoável.

Warner, o vilão, me pareceu um personagem bem interessante a princípio. Não que eu o ache lindo, charmoso ou veja uma possibilidade de um futuro triangulo amoroso na estória. Mas porque fiquei curiosa com toda a loucura dele. Queria todo tempo descobrir o que se passava em sua cabeça. O que aconteceu com sua mãe e sua família, e o que ele realmente esperava que Juliette faria.

 O ponto alto do livro, em minha opinião, foram algumas cenas de ação que aconteceram a partir da metade da estória; e o final com o aparecimento de novos personagens que me fizeram acreditar que o segundo livro será melhor. Por eles, eu leria a continuação.

Sobre as comparações com X-Men, acredito poderemos ver se elas são realmente justas no próximo livro. Mas duvido muito que sejam. Quanto às comparações com Jogos Vorazes as acho extremamente injustas*. Se não fosse por ambos os livros, Estilhaça-me e Jogos Vorazes, narrarem uma distopia (Governo opressor + Caos + Sociedade insatisfeita), não teria mais nada semelhante. Sem contar com a qualidade da narrativa de Suzanne que difere bastante da escrita rasa de Tahereh.

Eu não odiei o livro, mas também não amei. Apenas gostei da estória. Talvez no próximo livro a narrativa possa se desenvolver de forma melhor e muitas duvidas sejam esclarecidas. Apesar de tudo, quero ler Unravel me.

Parabenizo a editora pela diagramação e pela capa. Entretanto, ainda acho que deva melhorar na revisão. Erros de português constantes (como trocar ‘mas’ por ‘mais’) podem e devem ser evitados.  
  

*espero que o pássaro com que Juliette sonha não venha a se tornar o “Tordo” da estória. Querer fazer sucesso em cima da criatividade dos outros já é demais. 

6 comentários:

Eduarda Menezes disse...

Carol, adorei a sua resenha!
Eu gostei bastante desse livro, mas nem de longe acho o melhor que já li na minha vida, muito menos o melhor do ano. Gostei da narrativa interessante e diferente, mas o romance em si não é arrebatador quanto poderia ser. Gosto do Adam, concordo com as suas atitudes e confio nele, isso tudo por conta da ótica da Juliette. Não gosto do vilão, porém também estou intrigada para descobrir o porquê de ter se tornado uma pessoa tão cruel.
Também acho que o livro não tem absolutamente nada a ver com Jogos Vorazes, apenas o fato de pertencer ao gênero distopia, no mais, é completamente diferente.
Gostei muito das suas impressões!
Beijão!

Lendo e Comentando disse...

Oi, Carol!

Blah... Esse livro foi uma decepção e tanto pra mim. Também li várias resenhas positivas e isso me animou, pena que ele não foi nada do que eu esperava. Não sei onde algumas pessoas viram em "Estilhaça-me" algo inovador. O_O Sério. As palavras repetidas e riscadas também não me incomodaram. O fato é que não consegui acreditar na história. Caramba, o livro é uma distopia e eles conseguiam fugir sem muitos problemas... Essa "necessidade de Adam" que a Juliette tinha a cada minuto me irritava demais! As comparações com x-men são totalmente compreensíveis mesmo, afinal aquele final — pra mim — foi cópia pura! Não vi semelhança, vi uma cópia descarada. ¬¬' O final foi frustrante demais... cruzes. E comparar com Jogos Vorazes? WTF? Também não acho que caibam comparações aí. Enfim, falei demais né? hahah, não pretendo continuar lendo essa série não. Quero passar bem longe dela, rs. Boa sorte na continuação! Tomara que seja melhor que o primeiro!

Beijos,
Amanda.

Beijos,
Amanda.

Luara Cardoso disse...

Sério que você não gostou do livro? Nossa, que pena. :/ Eu gostei tanto!
Mas entendo seus motivos, afinal, ninguém é obrigado a gostar de um estilo de narrativa ou de um personagem. Divergências de opiniões acontecem todo tempo!
Apesar de não concordar com muita coisa que você disse pois adorei o que você não gostou, consigo ver o embasamento nas suas opiniões, o que é essencial.
E comparar com Jogos Vorazes? Essa é a primeira vez que eu vejo isso. o.o

Um beijo,
Luara - Estante Vertical

Babi Lorentz disse...

Realmente, espero que ela não vire o símbolo da revolução, rs. Concordo com suas palavras, mas preciso dizer que a repetição das palavras me incomodou bastante. O que gostei mesmo, no final, foi perceber a evolução da personagem, pelo meio da escrita do livro.
Beijos

4arquitetas disse...

Nunca li o livro, porém pelo seu texto me parece ser bom, pena que não tenha gostado. Teu blog é muito lindo *o*

Visita depois? http://www.4arquitetas.com/

Chick-lit Obsession disse...

Gostei muito da sua resenha, foi sincera! Mas mesmo assim, ainda tenho curiosidade de saber como é esse livro.

Flor, fiquei apaixonada pelo seu blog e pelo layout e estou seguindo. Se puder dar uma passadinha no meu, vou amar! (:

http://chicklitobsession.blogspot.com.br/

Postar um comentário